Logomarca

Saúde

Voltar
Facebook Twitter

31 de Maio - Dia Mundial Sem o Tabaco

imagem

Dia Mundial Sem Tabaco (31/05): tabagismo mata sete milhões de pessoas em todo o mundo por ano

Conforme a OMS há 1,1 bilhão de fumantes adultos e pelo menos 367 milhões de usuários de derivados do tabaco em todo o planeta

Nesta sexta-feira (31/05) é lembrado o Dia Mundial Sem Tabaco. A data, criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1987, busca alertar a população sobre os riscos, doenças e mortes evolvendo o consumo do cigarro. Dados recentes do Ministério da Saúde mostraram que o hábito de fumar vem reduzindo entre os brasileiros.

Conforme o levantamento, a porcentagem de fumantes caiu de 15,7% para 10,1% entre 2006 e 2017, queda de 36%. Porém, os números são alarmantes em esfera global. De acordo com a OMS atualmente há 1,1 bilhão de fumantes adultos no mundo e pelo menos 367 milhões de usuários de derivados do tabaco que "não produzem fumaça".

Ainda segundo a entidade, o fumo é responsável por mais de sete milhões de óbitos por ano, problemas relacionados às quatro mil substâncias presentes no cigarro, que provocam alterações no sangue, bioquímicas e hormonais. O consumo dessas substâncias está atrelado a doenças respiratórias, problemas no coração e ainda os cânceres de pulmão e garganta.

O médico pneumologista Sérgio Pontes, da Aliança Instituto de Oncologia, explica que doenças respiratórias mais frequentes são enfisemas pulmonares, bronquite, infecções respiratórias, e até embolia pulmonar. Ele destaca que infartos, derrames e acidentes vasculares cerebrais (AVC) são os problemas cardiovasculares mais comuns associados ao fumo.

"O cigarro envolve não apenas a dependência química, mas a psicológica também", afirma o médico. O especialista complementa "além destes sistemas, o tabagismo pode ser o motivador de depressão, ansiedade e outras dependências químicas, como o alcoolismo", aponta.

Os malefícios do tabaco não são notados apenas a longo prazo, algumas alterações no organismo podem ser percebidas no cotidiano de quem fuma. "As decorrências podem aparecer imediatamente com o aumento da pressão arterial, alterações de glicemia, mudanças no olfato e no paladar, na textura da pele, queda de cabelos", relata Dr Sérgio.

O paciente que começa a fumar se queixa muito da tosse, causada pela fumaça e pelas substâncias tóxicas, segundo o médico. "Além da tosse surge também à falta de ar, a sensação de aperto no peito e o chiado", descreve.

Sérgio Pontes preparou algumas dicas para largar o tabagismo. Confira:

- Estar motivado a sair do vício. Não adianta a família mobilizar médicos e/ou investir se o paciente não estiver realmente determinado a parar de fumar;

- Diminuir gradativamente o número de cigarros;

- Evitar carregar o maço ou a carteira de cigarro;

- Evitar deixar cinzeiros em casa;

- Evitar qualquer substância que possa estimular o fumo, tais como café e bebida alcoólica;

- Durante a motivação, falar para as pessoas próximas que está tentando parar de fumar, a fim de ajudar no policiamento e no controle. 

Gabriela Arruda: (61) 99160-6039

Escritório (61) 3365-1379 / 1261

imprensa@grupobjetiva.com


Fonte: Gabriela Arruda - Grupo Objetiva